O sentido do mundo está localizado atrás dos olhos, num espaço esférico menor que uma bola de futebol de salão

Quem significa as coisas somos nós, indivíduos e coletivos. O sentido é construído em nós e não no mundo. O mundo não tem sentido algum em si mesmo. As cores que vemos são as cores que nossos olhos podem captar, o que ouvimos, cheiramos, o …que tocamos, tudo é construído em nós. Os sistemas de opressão, as formas de liberdade, o que chamamos amor. Para pensar desta forma é preciso considerar a hipótese (ao menos a hipótese) de que não há nada além de nós, e se há, deixou para nós a construção do sentido. Fora dos símbolos do humano só existe a natureza crua. As múltiplas formas de ver o mundo através dos milênios de existência humana no planeta provam que há muitas formas diferentes de significar. São invenções humanas. Os conceitos todos de governo, propriedade, obediência, tudo é uma construção baseada em opiniões que se tornam pervasivas, mas mera opiniões. Da mesma forma idéias diferentes podem se tornar pervasivas, a história demonstra isto. Por isto idéias que questionam o status quo podem gerar revoluções quando o momento é fecundo. Quando um número significante de mentes pensa diferente do conjunto atual de símbolos, valores, crenças, ideologias, todo o mundo muda. Quando mudamos nossas vidas individuais, tomando decisões revolucionárias, mudamos a nossa relação com família, trabalho, amizades, forma de ser e ser percebidos pelos outros. O único sentido que vemos lá fora é o que projetamos e construímos. Somos símbolos, vivemos em símbolos que construímos. Se alguém muda de cultura esta percepção é muito aguda. Os simbolismos mudam, temos que tentar nos adaptar, podemos conseguir ou não, é uma coisa difícil. Buscamos o familiar mas às vezes nem o familiar ajuda. Culturas muito diferentes, com poucas interseções põem em cheque nossos valores, crenças, idéias concepções do que é certo ou errado. Há muitas éticas. O mundo está se tornando uniformizado em muitos aspectos, mas no fundo de tudo está o individual, capaz de mudar a si mesmo de dentro para fora. As “feral children” são o melhor exemplo do que ocorre com um ser humano que cresce fora do âmbito do humano, só na natureza selvagem. Muitas delas não são capazes de viver em sociedade, de construir simbolismos. Morrem, fogem, crescem com grandes limitações. Os exemplos românticos são Tarzan e Mogli, por exemplo, mas na vida real a coisa é diferente. É neste pequeno espaço esférico, o cérebro, que as mudanças começam a acontecer. A mente é mais que o cérebro, entretanto, é o conjunto do corpo, e também o espaço da mente coletiva. Daí a importância da educação que liberta ao invés de conformar. A propaganda, as ideologias, as instituições que preservam o status quo não fazem nada mais do que produzir símbolos e injetá-los nos cérebros desde a tenra idade. O olhar é seletivo porque olha o mundo através do sistema simbólico que opera no cérebro dos indivíduos. É por esta seletividade que deixamos de ver certas coisas fundamentais e valoramos outras menos fundamentais. Um sistema simbólico que evita o conformismo pode produzir sociedades muito diferentes das que temos atualmente. Este é um assunto fascinante, pra não dizer fundamental. O nêmesis, o instrumento punitivo da sociedade aos transgressores das normas de conduta, são o mecanismo brutal de manutenção do status quo, o qual vai muito além dos instrumentos legais de repressão. A sociedade apedreja, lincha, despreza, abandona. São todos motivados por significações. Se os símbolos mudam as reações ao diverso mudam também. Todo o conhecimento científico e tecnológico sofisticado se torna bem pequeno diante de outras questões fundamentais do ser humano e a liberdade do ser num mundo que potencializa a nós todos. Não tentamos isto ainda porque o sistema simbólico em que vivemos em geral é contra. Se mudamos em quantidade suficiente o sistema se evapora. Há um mundo inteiro pra ser criado e acho que as sementes estão sempre caindo e tentando germiná-lo. Tudo principia no espaço esférico por trás dos olhos.

Advertisements

About Mario Flecha

Libertarian feelings, thoughts, knowledge, spirit...
This entry was posted in Chronicle & Opinion/Opinião e Crônica, Made in Canada/Feito no Canadá, O sentido do mundo está localizado atrás dos olhos num espaço esférico menor que uma bola de futebol de salão, Poetry & Prose/Poesia & Prosa, Portuguese/Português, Prose/Prosa and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s